Librería Hijos de Santiago Rodríguez Librería Hijos de Santiago Rodríguez

Artículos (0)

0,00 €

A SUBSTâNCIA DO MAL (Edición digital) por: LUCA D'ANDREA

A SUBSTâNCIA DO MAL
Editorial:
Suma de letras
ISBN:
978-989-665-368-2
Formato:
Epublication content package
Derechos sobre el eBook:
Imprimible: Prohibido.
Copiar/pegar: Prohibido.
Compartir: 6 dispositivos permitidos.

Sinopsis

Um triplo e cruel assassinato por resolver.

Um rastro de violência e morte que assombra os habitantes duma calma comunidade isolada nas montanhas.

Bletterbach, um desfiladeiro gigante em que os fósseis podem contar toda a história do mundo.

«D'Andrea é um verdadeiro mestre.»

La Stampa

Jeremiah Salinger, um jovem guionista de televisão de Nova Iorque, muda-se com a mulher, Annelise, para Siebenhoch, uma calma comunidade isolada nas montanhas do Sul do Tirol, onde ela cresceu. Com eles, também, a filha, a precoce Clara, de cinco anos.

Fascinado pelas montanhas e pelas pessoas que ali vivem, Salinger começa a fazer um documentário sobre resgates na montanha. Mas, duranteas filmagens, envolve-se num acidente assustador. Enquanto tenta esquecer a sua experiência traumática, descobre, por acaso, um facto sangrento que remonta há trinta anos: o massacre de três jovens ocorrido durante uma caminhada no desfiladeiro Bletterbach. O crime não tem um culpado e, na aldeia, ninguém quer falar sobre o assunto...

Sobre A substância do mal:

«Pode ser comparado (sem medo de exagero) a Stephen King e a Jo Nesbo.»

La Repubblica

«D'Andrea constrói uma obra trepidante, sem pausas, revelando, magistralmente, pistas e reviravoltas até à última página.»

Il Fatto Quotidiano

«No mundo dos thrillers, é difícil ser original, mas Luca D'Andrea conseguiu, bem equipado, subir o pico mais alto da ficção de suspense internacional.»

Il Giornale

«Uma máquina narrativa calibrada, com um uso habilidoso da técnica do suspense.»

Il Mattino

«D'Andrea é um verdadeiro mestre na mistura de paisagens e tradições, seguindo o ritmo de uma trama apertada e sangrenta, onde a exasperação da culpa individual se torna uma grande culpa colectiva.»

La Stampa